quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

A menina na janela





A menina na janela
imagina uma poesia no seu tear
sucumbe
em meio a noite-luz
do meio-dia
por não ser capaz de enfrentar

o espelho
a solidão
o medo
a menina vaga em vão.




Elaine Siderlí.

6 comentários:

KA disse...

A menina de luz
Na janela do meio-dia
Descobre que não é em vão
Mergulhar na noite
Da solião, medo ...

E escrever
E encarar o espelho
E viver ...

Cada vez mais

Elaine Siderlí-Alendaluz disse...

Olá querido!
Adorei a réplica, rs...
ficou muito bonito!
muito bom vê-lo por aqui!

beijos.


Elaine Siderlí.

Marcelo Novaes disse...

Elaine,


A poesia é tecida no tear. Nem tanto é necessário ver ( à meia noite, à meia luz, ou ao meio dia eclipsado...), mas enfrentar a solidão de só ter espelho. Por vezes.




Beijos,





Marcelo.

Mirse disse...

Que lindo!!! Me encontrei nessa menina! Não tive infância, medos são muitos, consegui superar alguns com 17 anos de análise e com Meditação.
Hoje a memima que em mim ainda habita embora ainda frágil, reage para sobreviver.
Parabéns, Eaine. Você tem um jeitinho peculiar, doce e lindo de escrever.
Beijos
Mirze

Elaine Siderlí-Alendaluz disse...

Marcelo...
Poeta é poeta sempre!
E você sabe o quanto o admiro!
Obrigada pela visita e sim compreendo perfeitamente os espelhos!

beijos.


Elaine Siderlí.

Elaine Siderlí-Alendaluz disse...

Ah Mirze queirda...
Você é que é sim doce e sobre meu jeito de escrever..rs.. estou aprendendo estou aprendendo...sem grandes expectativas o que vale é a mensagem sendo dita...

Beijos.

Elaine Siderli.