quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Em uma noite de Natal Agradeço...

Uma luz...
a sua.
Um Suspiro...
o teu.
E nessa noite onde o espírito "natalino"
visita os seres...me recordo...
Sinto-me Visitada por você.
Mestre e amigo
Pai e colo
Anjo e ternura
Há muito tempo não mais te sinto.
Há muito tempo não mais te vejo.
Ainda vibra latente em meu coração,
a chama ardente da emanação energética
que você gerou em mim.
Anterior a você(Mestre)
Existia o pó
a nuvem
o vazio
a confusão
Durante você (Mestre)
Existia a magia
a alegria
o discernimento
a sede por aprender
Após você (Mestre)
Existe...
uma mulher-criança
que sente saudades
do colo amigo
que se sente fortalecida
nos textos antigos que você deixou
que enxerga a luz e a ponte
e hoje Mestre nessa noite de Natal
Presto reverência a luz que está além da lenda
a lenda que é além da luz
Gratidão e Respeito
Amor e Respeito
Respeito e Respeito!

4 comentários:

KA disse...

Elaine...

Lindo poema de reconhecimento. A vida é assim, ha sempre uma luz para nos iluminar quando precisamos dela, basta conseguirmos enxergá-la. Nem sempre é fácil e um mestre ajuda muito a colocarmos pra fora o que não conseguimos exprimir. E com isso, nos sentirmos melhor.
Abraços...!!!

ALENDALUZ disse...

Sim querido Antonio!
Pegou exatamente o espirito da coisa rsss
Beijos e grata pela visita!

Mirse disse...

Belo soneto de Natal, Elaine. A homenagem a um mestre, (no caso do Natal, O menino Deus), e no caso do poema, a alusão a alguém que ensima a sentar e "puxa a cadeira". Minha amiga querida, como te entendo!!!!
Lindíssimo!
Beijos
Mirze

Elaine Siderlí-Alendaluz disse...

Que bom, Mirze querida!
Seja sempre bem-vinda!

beijos.


Elaine Siderlí.